quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Domene viriatoi na National Geographic Portugal


Através do CISE - Centro de Interpretação da Serra da Estrela, tive conhecimento da descoberta deste escaravelho na Serra da Estrela, depois de contactos e reuniões com o Biológo José Conde percebi a imensa dificuldade em fotografar o Domene viriatoi, os seus 9mm e o seu ritmo acelerado foram adversidades que tive de vencer com muitas tentativa/erro na preparação das imagens no artigo. Em ambiente controlado, criamos uma réplica do habitat no Buraco da Moura e fiz diferentes imagens. Pela dificuldade de contraste, fiz algumas delas com fundo branco, realizadas com uma placa de acrílico e vários flashes a disparar ao mesmo tempo, de modo a eliminar todas as sombras, imagem em cima. Para este artigo usei a Tamron 90mm macro, com e sem uso de tubo de extensão, uso de vários flashes com softboxes, triggers e outros acessórios extra.  
Tudo se passa no velho castinçal da Lapa dos Dinheiros, é aqui no Buraco da Moura, cavidade natural com aproximadamente 100 metros, uma das maiores grutas de granito do País, que vive o nosso novo “Viriato”, é um escaravelho perfeitamente adaptado a viver na escuridão e partilha o espaço com as várias espécies de morcegos que aqui vivem no tecto da cavidade, isto porque o seu principal alimento são justamente espécies de artrópodes, exemplo das larvas de dípteros, que são atraídos ao guano produzido pelos quirópteros. Foi aqui que o Domene viriatoi foi encontrado pela primeira vez em Portugal, pelos investigadores do CISE – Centro de Interpretação da Serra da Estrela em conjunto com a equipa do cE3c (Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais), liderada pelo investigador Artur Serrano e que aqui desenvolveram um estudo para conhecer as espécies de coleópteros terrestres subterrâneos do Buraco da Moura. Este pequeno escaravelho têm 6 a 9 mm de tamanho, cor avermelhada, predador muito veloz e que apresenta adaptações particulares ao modo de vida subterrâneo, nomeadamente despigmentação do exosqueleto, ausência de asas, olhos compostos funcionais e a presença de apêndices alongados para mais facilmente detetar as suas potenciais presas e predadores. O Buraco da Moura, esconde ainda muitas surpresas na sua imensa escuridão, mas para já o Domene viriatoi já ficou conhecido à luz da ciência, descubra-o na edição de Janeiro da National Geographic Portugal. 

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Workshops de Fotografia Temáticos



Este ciclo de Workshops de Fotografia, realizado no 1º semestre de 2018, tem uma orientação e  concepção da empresa Bilhete de Identidade e Revista Bem Haja, sou eu o formador em todas as sessões e conta ainda com o apoio do CEI - Centro de Empresas Inovadoras de Castelo Branco, local onde se vão realizar os workshops. Estas acções de formação são dirigidas a qualquer pessoa que goste de fotografia e pretenda aprofundar os aspectos criativos, independentemente das temáticas preferidas e do tipo de equipamento que possua. Os temas a abordar, segundo o calendário acima, são Iniciação à Fotografia Digital; Fotografia de Retrato, Fotografia de Produto; Paisagem Urbana e Natural e Reportagem Fotográfica. O equipamento fotográfico aconselhado  é máquina fotográfica (compacta avançada, Bridge ou Reflex AP-S ou Full Frame), tripé e cabo disparador. Valor de inscrição: 20,00€ + Iva, inscrição obrigatória e limitada a 15 participantes, a inscrição só é considerada efectiva após o pagamento. + Info.:bemhaja@bilhetedeidentidade.pt e Inscrições, Aqui! 

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Em Reportagem - Uma Imagem


Recentemente numa reportagem, entretanto já publicada, sobre as novas instalações e reabertura do Centro de Contacto da Segurança Social em Castelo Branco fiquei fascinado com estas escadas, gostei daquela imensidão de branco, e do ponto de fuga que elas produziam, isto tudo na subida das mesmas, tive portanto tempo para idealizar e pensar a imagem na cabeça, mudei a lente para grande angular para conseguir enquadrar toda a escada e usei flash, disparado para cima para iluminar toda a área, com muitas sombras. Já na descida, pedi que eu fosse o ultimo, gostei deste modelo improvisado pela roupa mais escura que usava e assim criava o contraste perfeito com o domínio do branco. E assim aconteceu, fui realizando várias imagens até ter a figura humana no ponto de fuga da imagem. Sim, é possível pensar e realizar imagens diferentes no mesmo contexto e local.

sábado, 23 de dezembro de 2017

FELIZ NATAL E UM ÓPTIMO 2018...



É o que desejo a todos quantos por aqui ou nas outras redes sociais, onde estou presente, seguem a minha actividade fotográfica... Este ano de 2017 foi extremamente positivo e com alguma azáfama, a minha exposição Olhos nos Olhos continuou a circular por aí e esteve presente no exploratório em Coimbra e no festival Salva a Terra, realizei muitas actividades fotográficas, de Iniciação à fotografia no Centro Comercial Alegro em Castelo Branco de macrofotografia na Serra da Estrela e Tondela, e com o tema do Azeite em Vila Velha de Rodão.  Estive ainda como orador convidado no Festival de Fotografia de Paisagem - IMAGINATURE em Manteigas. Vários projectos na área da fotografia em que estive envolvido, quero aqui destacar o Alma da Beira, do qual saiu recentemente o livro com uma selecção das imagens realizadas e que me proporcionou conhecer melhor a Serra da Gardunha e o Tejo internacional. Reforcei a minha condição de embaixador da marca Tamron, como mais lentes e imagens realizadas. Agora segue-se 2018, daqui a uns dias, já com muitas ideias de actividades na área da fotografia e projectos já em andamento, como o Beira Baixa sob perspectiva que me vai permitir fotografar a Beira Baixa de lés a lés...
Resta-me desejar a todos, um Feliz Natal e um óptimo 2018, cheio de boas imagens!!! 

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Finalmente o Outono...







Por esta altura, a Serra da Estrela é um destino obrigatório para todos quanto eu gostam do Outono e de condições meteorológicas adversas para fotografar, se for o caso não devem ficar em casa e aproveitar o tempo livre para subir ao tecto de Portugal continental. O outono é aqui de um esplendor tal que nos contagia pela sua beleza, aromas e experiências. A diversidade de situações, as cores, a luz filtrada e difusa ajudam na composição das imagens criando uma marca própria desta estação do ano. Os elementos naturais mostraram a sua força, e durante o fim de semana tivemos sol, chuva, nevoeiro, nuvens de muitos tipos e formas, frio e uma luz fantástica, tudo o que um fotógrafo de natureza precisa para realizar as suas imagens. Calcorreando vários locais desta área protegida somos surpreendidos em cada situação, aproveitando-as de forma a que se consiga transmitir a essência dos locais. Depois de já aqui ter fotografado o outono inúmeras vezes, ia desta vez tentar ser diferente na abordagem, explorando ao máximo perspectivas e temáticas diferentes. No fim acho que consegui e muitos desses momentos ficaram registados em imagens, o outono que tardou, mas chegou em pleno...