quinta-feira, 9 de junho de 2016

Camponotus barbaricus, outras abordagens...


Desloquei-me, como todos os anos à Serra do Sicó, zona de Ariques mais propriamente para fotografar as orquídeas, são várias as espécies que aí acorrem e gosto de fazer registos todos os anos, procurando diferentes abordagens. A proximidade do solo fez-me despertar o interesse por umas formigas que aí passeavam bastante apressadas, é uma espécie bastante grande, com uma cor vermelha e pequenos pêlos no dorso, isto só descoberto com a ajuda do olhar macro dado pela objectiva. A observação demorada fez-me começar a perceber um pouco mais o seu comportamento e fiz alguns registos. Não sendo fáceis de fotografar, pelo tamanho e falta de contraste na maior parte das vezes, uma boa dose de paciência e insistência são os ingredientes necessários e entre muitas imagens sem nitidez os resultados começam a aparecer. Escolhi a lente macro 90mm da Tamron com tubo de extensão, diminuindo assim a distância mínima de focagem para metade. Optei por não usar flash, visto que o habitat era de rocha (calcário) e que ia reflectir muita luz artificial do flash. Mais tarde, na edição de imagens e com alguma pesquisa web descubro a espécie, são Camponotus barbaricus, espécie bastante comum, muito agressivas e vivem em colónias. Descubro também na observação das imagens que tinha fotografado uma rainha, imagem e espécie do canto inferior direito, acima. Nunca fazemos só uma imagem da mesma espécie, conseguimos fazer diferentes abordagens, mostrando a espécie em diferentes comportamentos, luzes e contextos, construindo histórias à volta da espécie.